segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O Desafio do Expositor Espírita

As casas espíritas especializaram-se no mecanismo das palestras como meio de interação pública. Geralmente, tem-se uma parte elevada que ajuda na visualização da plateia com uma mesa central ou até mesmo um púlpito. Muitas já dispõem de serviço de som para que a mensagem possa chegar bem audível para toda a gente. É um desafio enorme para qualquer palestrante/expositor/orador espírita segurar a atenção dos ouvintes. Se usa apenas da retórica, palavras e gestos, tem que ser muito envolvente para não provocar o desestímulo e, com ele, o famoso sono que é tão comum em várias ocasiões, afinal de contas, todo expositor espírita não possui a competência de um Divaldo Pereira Franco, por exemplo. Não é fácil. Muitas pessoas chegam à casa espírita à noite depois de um cansativo dia de trabalho. Quando é de dia, num final de semana, muitas vezes à tarde, depois do almoço, é quase impossível competir com a digestão alimentar. Imagine o público que chega ao centro espírita. Há pessoas de todos os níveis e expectativas que estão lá para ouvir a palestra do dia. Pessoas jovens, maduras e idosas. Pessoas analfabetas, de nível fundamental, médio e superior. Pessoas das classes "e" até a classe "a" em nível de renda. Pessoas neófitas na Doutrina Espírita, outras com seus 5 a 10 anos e algumas veteranas. Pessoas com mais facilidade de aprendizagem pela contação de histórias, umas mais visuais e outras mais auditivas. Eis o público eclético que se depara o orador espírita. Agora fale e faça todos entenderem e gostarem de sua exposição. Isto deve ser uma prova reencarnatória, só pode ser... Tem mesmo é que pedir ajuda ao seu espírito protetor, ao mentor da casa, Bezerra de Menezes, Joanna de Ângelis, André Luiz e quem mais estiver de plantão. Os expositores, por sua vez, na ânsia de servir a Causa, aceitam de boa fé falar de temas que, às vezes, nunca estudaram. Tem que preparar a palestra e corre pra aqui e pra lá para arrumar conteúdo. Por que é que orador espírita tem que entender sobre tudo? Em todos os demais ramos do conhecimento humano, as pessoas se especializam em um ou outro tema e se aprofundam naquilo. O expositor espírita parece mais um enciclopedista da realidade espiritual. Fala de mediunidade a caridade, de reencarnação a melindre, de corpos sutis a reforma íntima. Ultimamente, percebo, que os programadores de exposição doutrinária estão cada vez mais criativos. Criam temas tão bonitos que, creio, nem eles mesmo sabem direito o que criaram e o expositor que se vire para dar conta do recado. Expositor espírita, lembre-se muito bem, é um cidadão como outro qualquer. Trabalha, tem família, estuda. E também faz palestra. Ora, vai ter que gastar uma manhã, um dia ou mais, para desvendar o enigma temático que lhe foi proposto. Certa vez, me propuseram expor sobre algo como "A Influência do Fluido Cósmico da Terra na Evolução Humana". Primeiro, foi difícil tentar fazer a conexão, nem sei se consegui direito, mas estudei, preparei meu material. Ao chegar ao centro, vi que o público predominante era de senhoras idosas que iam receber um benefício da casa depois da palestra. Pensei comigo: só pode ser penitência ouvir este tema por uma hora. Falei, no máximo, 5 minutos do que havia planejado e comecei a conversar sobre reforma íntima no cotidiano daquele público. Não falei para o dirigente da casa espírita, mas procurei simplificar o recado para a "alma"da casa: seus frequentadores. O público deve ser a preocupação do programador temático das palestras. Fazer uma leitura das necessidades dele e procurar atender a elas. Da parte do expositor, como Jesus sempre fez, falar à mente e ao coração da média dos ouvintes. Para o povão contava parábolas, para os doutores da lei usava de dialética e metáforas filosóficas. Noutro texto, vou enumerar os temas que já tenho exposições preparadas e recorrerei a quem me convidar para dar algumas palavras na sua casa doutrinária para procurar neste leque de opções. As exposições nunca se acabarão, mas devem ser repensadas e não apenas nos tópicos que rapidamente aqui provoquei. Se a casa espírita se propõe a educar espíritos ou reeducá-los, há que se preocupar em estudar a Andragogia, a aprendizagem especializada para adultos. No Grupo Espírita Esperança, em Camaragibe, onde exerço trabalho contínuo, só há um momento semanal para uma breve exposição de, no máximo, 40 minutos, ainda assim estamos tentando dinamizá-la. O expediente utilizado, com muito sucesso, são as Oficinas dos Sentimentos, vivência prática de educação moral com dinâmicas de grupo, estudo de casos, reflexões individuais e conjuntas, músicas e por aí vai. Um jeito mais próximo e contextualizado de chegar ao grande público. Isto, porém, será objeto de outro artigo. A propósito, no livro "Cartas de um Imortal", o espírito Joaquim Nabuco dá uma aula de oratória no texto "Retórica". É ler, conferir, aprender e praticar. Avancemos com Jesus! Carlos Pereira http://blogdecarlospereira.blogspot.com/

domingo, 22 de janeiro de 2012

Deus e Jesus na visão Espírita

1. Que é Deus? “Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas” (O Livro dos Espíritos) Deus é conceituado como a inteligência suprema, completando-se com a noção de causa primária de todas as coisas. Assim, Deus é a causa inteligente cujo efeito é o todo universal. Deus é a causa inteligente de tudo, na linguagem tradicional é o Verbo, porquanto o Verbo é a vontade de Deus manifesta. 4. Onde se pode encontrar a prova da existência de Deus? “Num axioma que aplicais às vossas ciências. Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá.” 5. Que dedução se pode tirar do sentimento instintivo, que todos os homens trazem em si, da existência de Deus? “A de que Deus existe; pois, donde lhes viria esse sentimento, se não tivesse uma base? É ainda uma conseqüência do princípio - não há efeito sem causa.” (O Livro dos Espíritos)

domingo, 15 de janeiro de 2012

Confiança em uma Força Maior

“A Consciência Divina irriga-me com paz. Os meus equívocos são elucidados, e acalmo-me, considerando as imensas possibilidades de equilíbrio que estão ao meu alcance. Diante de mim o presente, elaborando o futuro. O passado são as lições aprendidas e as vantagens do conhecimento servindo-me de suporte para o crescimento interior. Confio e renovo-me, tranquilizando-me no Bem.” Joanna de Ângelis / Divaldo Franco

domingo, 8 de janeiro de 2012

Perante a Reencarnação

Não perderás tempo, reclamando contra a vida. Na hipótese de que te empenhes realmente pela aquisição do conhecimento espírita, reflete na lei da reencarnação. És um espírito eterno envergando temporária forma física, à maneira de um servidor vestindo uniforme de trabalho, francamente deteriorável e passageiro. Observa os próprios hábitos e tendências e perceberás o que foste nas existências passadas. Analisa os que te rodeiam, no círculo doméstico-social e identificarás com quem te comprometeste para sanar os próprios débitos ou traçar a própria senda de elevação. Estuda o quadro que te emoldura as atividades e anotarás de que ponto deves partir em demanda à melhoria. Sobretudo, é preciso ponderar que se ninguém nasce para o mal, muito menos renascerá para reconstruí-lo ou reafirmá-lo. Um aluno repete o currículo de lições no objetivo de ganhar a frente, não para acomodar-se à retaguarda. Convence-te de que retornamos à Terra com o fim de ampliar os valores do bem, cada vez mais. Indispensável corrigir-nos naquilo que erramos. Replantar dignamente a leira do destino que relegamos outrora ao relaxamento. Levantar aqueles que impelimos à queda. Amar os que aborrecemos. Acender alegria nos corações que encharcamos de lágrimas. Estás hoje no lugar e na posição em que podes claramente doar à vida, na pessoa dos outros, tudo aquilo que és capaz de sentir, pensar, falar ou fazer de melhor. Autor: Emmanuel Psicografia de Chico Xavier

domingo, 1 de janeiro de 2012

DESAFIOS EXISTENCIAIS

“Viver é construir-se interiormente, superando cada patamar da evolução mediante o burilamento de si mesmo. Não é uma tarefa simples, porque tem muito a ver com a realidade moral e espiritual da criatura, que é chamada a um incessante trabalho de autovalorização, de aperfeiçoamento íntimo, com a superação das dependências que a amesquinham.” Vida: Desafios e Soluções Joanna de Ângelis / Divaldo Franco "Quando a gente acha que tem todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas."   Luís Fernando Veríssimo “Quanto mais alguém foge de um problema, mais difícil se lhe torna equacioná-lo. A melhor maneira de o enfrentar começa no esforço para diminuir-lhe o conteúdo emocional perturbador, nele vendo, pelo contrário, a possibilidade de mais enriquecimento através de uma comunicação injuntiva em relação com a vida.” Triunfo Pessoal Joanna de Ângelis / Divaldo Franco