segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Evolução e Destino


"O Espírito renascente no berço terrestre traz consigo a provação expiatória a que deve ser conduzido ou a tarefa redentora que ele próprio escolheu, de conformidade com os débitos contraídos."

"De modo geral, porém, a etiologia das moléstias perduráveis, que afligem o corpo físico e o dilaceram, guardam no corpo espiritual as suas causas profundas."

André Luiz por Chico Xavier e Waldo Vieira
Evolução em Dois Mundos

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Obsessões Cármicas


Amigos, quanto mais estudo, convenço-me que existem certas coisas, contra as quais não adianta lutar. Veja o caso da obsessão cármica, por exemplo, não há profilaxia se você traz algum débito de outras vidas (e todos nós trazemos). Veja o que diz Manoel Philomeno de Miranda / Divaldo Franco em Trilhas da Libertação:
“Sabemos que em todo processo de obsessão estão presentes dois enfermos em pugna de desequilíbrio. De igual forma, não ignoramos que a obsessão se torna possível, graças à ação do agente no campo perispiritual do paciente. A consciência de culpa do hospedeiro desarticula o campo vibratório que o defende do exterior e, nessa área deficiente, por sintonia fixa-se a indução perturbadora do hóspede. A essa consciência de culpa chamaremos matriz, que facultará o acoplamento do plugue mental do adversário. Não raro, a força de atração da matriz é tão intensa – por necessidade de reparação moral do endividado – que atrai o seu opositor espiritual, iniciando-se o processo alienador. Em outras ocasiões, quando a culpa é de menor intensidade, o cobrador sitia a usina mental do futuro hospedeiro, que termina por aceitar a inspiração perniciosa, tendo início o intercâmbio telepático, que romperá o campo de defesa, facultando, assim, a instalação da parasitose. Esta, graças à sua intensidade, através do perispírito se alojará na mente, gerando alucinações, pavores, insatisfação, manias, exacerbação do ânimo ou depressão, ou se refletirá no órgão que tenha deficiência funcional, pelo assimilar das energias destrutivas que lhe são direcionadas e absorvidas.”
Eu havia feito um comentário sobre o possível perdão da vítima no programa auto-obsessão. Confirmando o que eu disse, vejam que não adianta nem o perdão da antiga vítima. Vejamos nas palavras do amigo espiritual no mesmo livro:
“Sabemos que o perdão de uma dívida não isenta o seu responsável da regularização através de uma outra forma. Quem perdoa fica bem, porém o desculpado permanece em débito perante a economia da vida. Cumpre-lhe passar adiante o que recebeu, auxiliando a outrem conforme foi ajudado. Assim no caso em tela, a consciência de culpa do devedor faz um mecanismo de remorso que se transforma em desajuste da energia vitalizadora, que passa a sofrer-lhe os petardos e termina por produzir, como não desconhecemos, a auto-obsessão, ou engendra quadros de alienação mental conhecidos na psicopatologia sob denominações variadas. A consciência culpada do Espírito que se arrepende do mal que praticou mas não se reabilita, emite vibrações perniciosas que o perispírito encaminha ao cérebro, perturbando-lhe as funções.”

Vejamos, também, o poder de um ataque espiritual desencadeado por antigas vítimas, hoje nosso obsessores. Do livro Trilhas da libertação:
“(...) a interferência psíquica de umas criaturas sobre as outras, desencarnadas ou não, é responsável pela quase totalidade dos males que as afligem, dentro, naturalmente, das injunções cármicas de cada qual. A ação mental de um agente sobre outro indivíduo, se este não possui defesas e resistências específicas, termina por perturbar-lhe o campo perispiritual, abrindo brechas para a instalação de várias doenças ou a absorção de vibrações negativas, gerando lamentáveis dependências.”
“A mente que se fixa sobre outra, sendo portadora de carga predominante, sobrepor-se-á, passando ao comando. A energia deletéria de que se constitui bloqueará o campo de equilíbrio da vítima ou o destroçará, forçando a instalação de germes e vírus destruidores ou transmitindo, em outros casos, os sintomas das enfermidades que levaram o hospedeiro à desencarnação, atacando o órgão correspondente e contaminando-o com a mesma doença. Essas obsessões físicas, muitas vezes, tomam corpo mais amplo e vigoroso em processos de cegueira, mudez, surdez, paralisias diversas, por interferência de onda mental prevalecente sobre o corpo debilitado.”
Ainda continua o mentor espiritual no mesmo livro:
“Quando na Terra, conheci diversos casos de pessoas com tuberculose pulmonar e laríngea provocada pela interferência de inimigos desencarnados. As úlceras gástricas e duodenais, além das gêneses acadêmicas conhecidas, alguns distúrbios cardíacos e hepáticos, do aparelho digestivo em geral, têm procedência nessa terrível, contínua emissão de fluidos enfermiços que se infiltram nos órgão, que atacam e lhes descompensam o ritmo celular, funcional, provocando-lhes degenerescência...”.
Poderíamos perguntar: seria uma Pena de Talião mais requintada?...
Talvez não... Apenas, como diz o mesmo mentor, o fato é que
“O indivíduo, pois, é responsável, próximo ou remoto, por tudo quanto lhe sucede. Conforme aspira, delineia, e de acordo com o que vitaliza, ocorre.”
De qualquer forma, como dizem nossos irmãos do oriente.
Maktube! Ou seja, “está escrito”. Ninguém foge do destino.

Abraços
José Antonio

domingo, 12 de fevereiro de 2012

auto-obsessão

“Necessário esclarecer que o problema de auto-obsessão decorre da necessidade que o Espírito se impõe, no processo reencarnatório, de expungir crimes perpetrados e que não foram denunciados, nem também justiçados a seu tempo.” “O maior inimigo do paciente auto-obsidiado é a sua consciência de culpa, de que não se esforça, realmente, por libertar-se, conseguindo merecimentos pelo uso bem dirigido da força que empreende para a regularização dos erros pungentes.” Manoel Philomeno de Miranda / Divaldo Franco No livro: Tramas do Destino

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Obsessão: Invasão da Mente ...

“Quando, você escute nos recessos da mente uma idéia torturante que teima por se fixar, interrompendo o curso dos pensamentos; quando constante, imperiosa, atuante força psíquica interferindo nos processos mentais; quando verifique a vontade sendo dominada por outra vontade que parece dominar; quando experimente inquietação crescente, na intimidade mental, sem motivos reais; quando sinta o impacto do desalinho espiritual em franco desenvolvimento, acautele-se, porque você se encontra em processo imperioso e ultriz de obsessão pertinaz.” “— Em qualquer problema de desobsessão, a parte mais importante e difícil pertence ao paciente, que afinal de contas é o endividado. A este compete o difícil recurso da insistência no bem, perseverando no dever e fugindo a qualquer custo aos velhos cultos do ‘eu’ enfermo, aos hábitos infelizes, mediante os quais volta a sintonizar com os seus perseguidores que, embora momentaneamente afastados, não estão convencidos da necessidade de os libertar. Oração, portanto, mas vigilância, também, conforme a recomendação de Jesus. A prece oferece o tônico da resistência, e a vigilância o vigor da dignidade.” Do livro: Nos bastidores da obsessão Médium: Divaldo Pereira Franco Espírito: Manoel Philomeno de Miranda