domingo, 27 de maio de 2012

Assumir-se


Olhar cara a cara
No confronto do que somos
E assumir-se como se é
Sem dor, mimo ou escapismo
Abrir as portas do progresso
No amadurecimento maior
Ser forte para se amar
Como quem concede à natureza
A luz da consciência do ser
Na pauta regular da realidade
Pois todo aquele que foge de si
No fatalismo dos encontros
Acaba por se ver assustado
Na face indiferente dos outros
Luiz Gasparetto

O maior sentido de nossa encarnação é a conscientização da riqueza de nosso mundo interior. Somos essências divinas em busca da perfeição, cujo caminho é o autodescobrimento.
Hammed / Francisco do Espírito Santo Neto


domingo, 20 de maio de 2012

Faz sentido?

Escolhemos sonhos impossíveis - Para depois sofrer por não os realizar.
Optamos por pessoas complicadas - Para depois reclamar que é difícil conviver.
Além das nossas, choramos as dores do mundo - Para depois perguntar por que tanto sofrimento.
Não falamos o que sentimos - Para depois nos queixarmos que ninguém nos compreende.
Não traçamos limites - Para depois nos magoamos porque os outros nos invadem.
Ou seja, complicamos a vida para depois nos fazermos de vítimas.
Faz sentido?
José Antonio


Escuta com o coração
Fala com a inteligência
Anda com paciência
Age com amor
Progrida com generosidade
Insista com bondade
Olhe com benevolência
Conviva com otimismo
Caminhe com força
Compreenda com o bom senso
Ajude com sabedoria
Doe com desapego
E durma com os anjos...
Luiz Gasparetto


domingo, 13 de maio de 2012

Se cada um ocupasse o seu lugar...




O outro
Pode ser o espelho da minha desgraça
Ou a moldura de minhas graças
O outro
Pode ser o risco da incompreensão
Ou o abraço no meu coração
O outro
Pode ser a avidez de uma reprimenda
Ou o limite que me enfrenta
O outro
Pode ser a fonte de minhas necessidades
Ou a luz de minha liberdade
O outro
Pode ser um pedaço de mim
Que assume outra identidade
Ao me afastar dele
Eu o encontro em irmandade

Luiz Gasparetto

  Convivência saudável, sem invasão de espaços, ou qualquer que seja o constrangimento, é privilegio de quem atingiu a madureza espiritual, de quem se conhece, aceita e respeita-se; e, por consequência, aceita e respeita o outro, esteja ele no nível que estiver. Isso não é utopia, mas é a realidade de quem trabalha no próprio melhoramento. 
       José Antonio 



domingo, 6 de maio de 2012

Por que costumo fingir para agradar aos outros?



“Eis algumas perguntas que podemos fazer a nós mesmos para identificarmos nossas crenças e valores, positivos ou não, e como eles afetam a nossa vida diária:

  • ·         Qual o grau de influência da opinião alheia sobre meus atos e atitudes?
  • ·         O que me dificulta ter suficiente autonomia para tomar minhas próprias decisões?
  • ·         O que me impede de desfrutar uma vida plena?
  • ·         Por que costumo fingir para agradar aos outros?
  • ·         Qual a razão de manter minha reputação alicerçada em um modelo exemplar?
  • ·         Meus conceitos facilitam autoconfiança?”

“Quando deixamos os outros conduzirem nosso jeito de sentir, pensar e agir damos-lhes o consentimentos de nos usar ou manipular como e quando quiserem.”

“A Espiritualidade Superior não nos quer submissos à vontade de outrem, nem inabilitados para tomar decisões, mas quer que nos apropriemos de nossos valores inatos, demonstrando determinação e firmeza diante da vida, porque isso teria como resultado natural o conforto físico, psíquico e espiritual.”

Hammed / Francisco do Espírito Neto


"Se o discurso controla mentes, e mentes controlam ação, é crucial para aqueles que estão no poder controlar o discurso em primeiro lugar.”

Teun A. van Dijk


“Você precisam aprender a viver e não a inventar uma vida que nunca vão ter, querendo estar num lugar onde nunca vão estar, querendo ficar onde não podem, querendo ser o que não são, querendo ter o que não é possível. Tudo é ilusão. Vocês não querem a verdade, não querem viver o dia-a-dia. É por isso que não têm gosto nenhum de viver. A vida de vocês é um tormento e não tem paz. É preciso aprender a contemplar para ter paz.”

“Como é importante ter paz na vida! O que quer dizer ter paz? É a gente se harmonizar com o movimento da natureza. É a gente se harmonizar com o movimento da natureza. É deixar a vida fluir. É ter gosto no prazer do amor, é ter gosto no que faz, é ter gosto na vida. Sem paz, emocional, física, social, que é a saúde familiar e do ambiente. Não pode ter paz, porque é aquela loucura na cabeça e o corpo fica só seguindo as ordens da cabeça, tenso, vivendo num mundo que não existe, no mundo do ‘deveria’ criando revolta, desassossego, exaltação.”

Calunga / Gasparetto