domingo, 8 de julho de 2012

Toda palavra comporta duas faces...



Um olhar pode conceder
O outro cegar.
Um gesto pode acolher
O outro matar.
Uma palavra pode aprovar
A outra mortificar.
De um ou outro modo
Cada ato é uma força
Que cria ou destrói,
Porém a vida nos faz aprender...
Tudo vai e volta na medida de cada ação.
Assim a verdadeira escolha
É aquela que o amor decide.
Luiz Gasparetto

“[...] toda palavra comporta duas faces. Ela é determinada tanto pelo fato de que procede de alguém, como pelo fato de que se dirige para alguém. Ela constitui justamente o produto da interação do locutor e do ouvinte. Toda palavra serve de expressão a um em relação ao outro. Através da palavra, defino-me em relação ao outro, isto é, em última análise, em relação à coletividade. A palavra é uma espécie de ponte lançada entre mim e os outros. Se ela se apoia sobre mim numa extremidade, na outra apoia-se sobre o meu interlocutor. A palavra é o território comum do locutor e interlocutor.”
Mikhail Bakhtin (Volochínov)

“Nós é que decidimos de que modo interpretaremos os atos e atitudes que acontecem em nossa vida. Qualquer que seja a importância e o significado que determinada pessoa ou acontecimento tenham para nós, eles terão o exato sentido e valor que nós lhes atribuirmos. Em muitas ocasiões, percebemos as coisas não como elas são, mas como nós somos. Não há uma interpretação generalizada, mas, sim, a nossa percepção individual e peculiar de sentir e de ver.”
Hammed / Francisco do Espírito Santo Neto

Nenhum comentário:

Postar um comentário