domingo, 27 de janeiro de 2013

Inventar histórias falsas... para si mesmo.



Na competição de quem sabe mais
Mais ganha quem se cala
Na disputa pela beleza
Mais vale aquele que se apaga
Na luta pelas coisas da vida
Mais ganha aquele que não deseja
Na busca do amor a qualquer preço
Mais vale aquele que anda só
Na briga pelo lucro ilusório
Mais progride
aquele que dá de graça
Na loucura de levar vantagem
Melhor fica
aquele que reparte os ganhos
Não importa qual seja a peleja
Sendo um jogo
tem sempre quem perde
Na unidade da vida,
onde tudo é contínuo
Competir é cavar a própria cova
e perder-se na escuridão...
Luiz Gasparetto

“E, se não podemos ser honestos com nós mesmos, com certeza também não podemos ser honestos com nenhum outro indivíduo.”
Hammed

“Quem pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo.”
Paulo

“O interesse fala toda espécie de língua e faz toda espécie de papel, mesmo o do desinteressado.”
La Rochefoucauld

MAR PORTUGUÊS
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.

Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
Fernando Pessoa

domingo, 20 de janeiro de 2013

Nem tudo que se olha é o que se quer ver





Presença
É sempre ser só si mesmo
É a diferença sempre evidente
É a constância do bom senso
É a firmeza na sentença
Presença
É mergulhar na vida
É se sujar de todas as sensações
É se permitir imperfeições
É transformar-se em vivência
Presença
É lucidez e consciência
É força de persistência
É o sentimento da Verdade
É o gosto da liberdade
E assim:
Você pode querer
Você pode não querer
Você pode escolher
Você pode não escolher
Você pode ser aberto
Você pode ser fechado
Você pode se deixar ser dominado
Você pode ser o dominador
Você pode se limitar
Você pode se expandir
Você pode se encurralar
Você pode se soltar
Você pode se negar
Você pode se assumir
Você pode se esconder
Você pode se revelar
Você pode se aceitar
Você pode se rejeitar
Liberdade é só o nome
Da sensação do seu poder.
Luiz Gasparetto

“É óbvio que a mente emaranhada a uma única ideia pode nos custar um encarceramento dos pensamentos num círculo restrito e vicioso.”
“Quando diversificamos as ideias e não mais focalizamos uma só (seja ela qual for), rompemos a estagnação em que nos encontrávamos e passamos a operar fora das áreas delimitadas pela fixação mental, expandindo os conteúdos mentais no espaço e no tempo.”
“Não podemos ser tudo para todos em todos os lugres... mas o importante é termos a consciência de ser alguém em nosso próprio lugar...”
“A vida humana é um processo de escolhas, prioridades, preferências, adiamento e outros tantos fatores. Uma escolha pode levar-nos à eliminação ou à concretização de um sonho.”
Hammed

Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar...
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos", 8-3-1914
Fernando Pessoa

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Por que falsificamos nossa realidade?


A nossa mente mais parece
Um borrão de linhas destorcidas
Deformando-se, deforma os fatos
De acordo com nossas feridas
Nossa mente parece pública
Abriga todas as pessoas em volta
E de tanto darmos espaço aos outros
Acabamos no fundo do poço
Nossa cabeça
É um palco de vastas intrigas
Desordens, tramas, lutas e brigas
Regendo o intelecto e as emoções
Criando um fantástico
Mundo de desilusões
Nesse caminho
A realidade é um choque
Em que necessitamos
De tempo em tempo
Para trazer-nos de volta à vida
Para que não sejamos excremento
Se queres a paz em sua vida
Aprenda
A ordenar sua mente aos fatos
Pois a loucura é um fantasma
Que nos ronda em cada ato
Luiz Gasparetto

“As mentiras que mais nos causam donos e nos impedem o crescimento espiritual não são tanto as que verbalizamos, mas as que contamos inconscientemente para nós, aquelas que projetamos.”
“Por que falsificamos nossa realidade? Afinal, o que conseguimos com isso? Danificamos nossa própria intimidade e atravessamos toda uma existência com a angustiante sensação de sermos impostores ou farsantes. Além disso, vivemos aprisionados à angústia e ao medo de um dia descobrirem quem realmente somos.”
“Nosso anseios de ser e de possuir alguma coisa são, no fundo a compensação da falta de não termos quase nenhuma consciência do que somos e nem para que fomos criados.”
Hammed

“O poeta é um fingidor.
Finge tão complemente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.”

“Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.”
Fernando Pessoa

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O bem mais valioso: a liberdade

O melhor controle
é não controlar
é não deixar ser, sendo
é cooperar no rumo da vida
Sem guiar, só seguir
Na conquista, o fim da espera
A fé, a consciência e o sossego
De acender a luz da fonte
Aí, o sol interior clareia
os domínios
de um novo horizonte.
Luiz Antonio Gasparetto

Quem age segundo o ponto de vista dos outros está muito longe de ser um homem livre. De todos os bens que o homem possa ter, o mais valiosos é a liberdade. Não há utilidade, conveniência nem prazeres que compensem o seu sacrifício. A liberdade é tão-somente a capacidade de viver com as consequências dos próprios atos e atitudes. Não podemos mensurar a liberdade de ninguém, pois todos nós ainda não sabemos o que é ser livre de verdade. Liberdade em si não consiste em viver simplesmente livre de grilhões e sem controle, mas, sim, em ser o próprio mediador na contenção dos ímpetos, na avaliação das ações, no limite dos anseios e na moderação das emoções. Podemos ser livres sem ferir a nós e ao outros. Na realidade, ao descartarmos o “livro das convenções” teremos mais alegria e dádiva sem violar os direitos naturais que regem todos os seres humanos.
Hammed

Há sem dúvida quem ame o infinito, 
Há sem dúvida quem deseje o impossível, 
Há sem dúvida quem não queira nada — 
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles: 
Porque eu amo infinitamente o finito, 
Porque eu desejo impossivelmente o possível, 
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,  
Ou até se não puder ser... 

E o resultado? 
Para eles a vida vivida ou sonhada,  
Para eles o sonho sonhado ou vivido, 
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...  
Para mim só um grande, um profundo, 
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,  
Um supremíssimo cansaço,  
Íssimno, íssimo, íssimo, 
Cansaço...
Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)
Novo horário do Programa: Domingos das 15 às 16 horas